SMetal

Imprensa

Saúde

Tomógrafo da Santa Casa está quebrado há 10 dias e UTI Neonatal precisa de ar-condicionado

Quinta-feira, 30 de Abril de 2015 - Atualizado em 27/12/2016 13:51
Assessoria de Imprensa Vereador Izídio de Brito

,
A reunião de hoje foi a primeira entre o presidente da Comissão de Saúde e o novo administrador do hospital, José Luiz Pimentel
Em reunião nesta quinta-feira, 30, com o vereador Izídio de Brito (PT), presidente da Comissão de Saúde da Câmara de Sorocaba; o novo gestor da Santa Casa de Sorocaba, José Luiz Pimentel; fez um relato dos principais problemas do hospital atualmente e as respectivas providências que estão sendo tomadas.

A reunião de hoje foi a primeira entre o presidente da Comissão de Saúde e o novo administrador do hospital, que assumiu o cargo dia 20 de fevereiro. Pimentel é médico urologista e substituiu Francisco Antônio Fernandes, que atualmente é secretário municipal da Saúde.

O gestor relatou a Izídio, por exemplo, que o tomógrafo da Santa Casa está parado há 10 dias e o hospital não encontra peças de reposição porque o equipamento está fora de linha. "Hoje, não existe mais tomógrafo de apenas um canal, já tem com 256 canais, mas estou como ‘carrapato' insistindo para que resolvam o problema o quanto antes", ressalta Pimentel.

"Em situações emergenciais, estamos encaminhando os pacientes direto para o Conjunto Hospitalar", afirma o gestor. que espera ter o equipamento em funcionamento até a próxima quarta-feira.


Recém nascidos

Em maio, serão abertos 10 leitos para cuidados intermediários de neonatal (semi-intensivo) com recurso estadual de R$ 126 mil e mais R$ 54 mil do município. A demanda foi gerada por causa da reforma que vem ocorrendo no Conjunto Hospitalar de Sorocaba (CHS).

Quanto aos 16 novos leitos do prédio novo para a UTI neonatal e mais dois leitos de isolamento, eles ainda não estão funcionando porque falta um ar-condicionado central no setor, que filtra o ar para impedir a entrada de bactérias. O equipamento custa cerca de R$ 500 mil.

Pimentel afirma que está aguardando verba da prefeitura, via emenda parlamentar, para comprar o ar-condicionado e iniciar o atendimento aos pacientes.


Hemodinâmica

Pimentel também afirmou que falta homologação do Governo do Estado de São Paulo para o funcionamento do setor de hemodinâmica do hospital, voltado para atendimento de pacientes com problemas cardiológicos.

"Temos todos os equipamentos para fazer angioplastia e cateterismo dá para começar amanhã, só falta o Estado liberar", afirma Pimentel.

Com o setor de hemodinâmica em funcionamento os pacientes infartados não dependeriam de medicamentos que estão em falta no mercado, como as drogas que atuam no trombo e que tem apenas um único fornecedor no país. "Quando assumi [o cargo] esses medicamentos já estavam em falta no mercado", informa o gestor que está a dois meses à frente da Santa Casa, no lugar de Francisco Fernandes, que assumiu a pasta da Saúde do município.


Terceirização

O serviço de lavanderia da Santa Casa poderá ser terceirizado, mas sem que os atuais funcionários do setor sejam demitidos. "Estamos estudando quanto custa para lavar um quilo de roupa e quanto custa para uma lavanderia industrial lavar. Os funcionários seriam remanejados para outros setores", explica Pimentel.

O banco de sangue do hospital da Santa Casa será trocado por uma agência transfusional porque, de acordo com Pimentel, o banco somente atende um terço da demanda. "Com a agência haverá redução de custo e teremos capacidade para captar todos os derivados".

Pimentel também explicou para Izídio que existe uma troca de serviços entre Santa Casa e Conjunto Hospitalar (CHS). Devido ao tomógrafo da Santa Casa estar quebrado o Conjunto Hospitalar recebe os pacientes em situação de emergência e, no caso do equipamento de broncoscopia do CHS estar quebrado, a Santa Casa faz o atendimento a esses pacientes.


Oncologia

Durante a reunião, Izídio de Brito (PT) questionou a falta de espaço para quimioterapia na Santa Casa, uma das principais queixas atendidas pelo gabinete do vereador. Pimentel disse que a demanda aumentou quase 30% nos últimos tempos "pelo Conjunto Hospitalar ter segurado um pouco o atendimento".

Atualmente, são atendidos de 35 a 40 pacientes de quimioterapia. "Nossos profissionais de oncologia são os melhores da região. Quanto ao espaço, estamos mudando o atendimento para o núcleo de especialidades médicas para dar mais conforto aos pacientes", declara.


Dengue

Pimentel acredita que em 30 dias os casos de dengue diminuirão devido à chegada do frio. Por causa da doença foram criados emergencialmente 16 leitos na enfermaria do primeiro andar do hospital, que estava passando por reforma. Atualmente, estão internados de 10 a 12 pacientes com dengue a cada período. "Assim que não precisar mais de internação por causa de dengue a reforma continuará, com impermeabilização do solo e pintura".

Além do presidente da Comissão da Saúde da Câmara, Izídio de Brito (PT), participaram da reunião Nilson Ortega, assessor do vereador Izídio, e o assessor do vereador Apolo (PSB), José Carlos Cueiro Jr (Dinho).

Deixe seu Recado