SMetal

Imprensa

Epidemia

Sorocaba contabiliza 42 mil casos de dengue e 15 mortes pela doença

Novo Centro de Monitoramento passou a funcionar nesta quarta-feira, dia 15

Quarta-feira, 15 de Abril de 2015 - Atualizado em 27/12/2016 13:50
Jornal Cruzeiro do Sul

,
Centro de monitoramento possui 15 poltronas, leito para hidratação; se necessário, o número será dobrado
Sorocaba já contabiliza 42 mil casos confirmados de dengue neste ano, entre os quais 15 resultaram em morte. Outros 15 óbitos de pacientes com suspeita de dengue aguardam confirmação de exames laboratoriais. Os números atualizados foram divulgados na manhã desta quarta-feira pelo secretário de saúde Francisco Antonio Fernandes, durante a inauguração do novo Centro de Monitoramento da Dengue.

O novo local para atendimento de pacientes com sintomas da doença funciona na Igreja de Jesus Cristo dos Santos dos Últimos Dias (mórmons) e passou a atender às 7h, com três médicos, quatro técnicos de enfermagem, mais o trabalho dos voluntários da igreja e de estudantes da escola técnica de enfermagem e de três universidades - Unip, Uniso e PUC.

De acordo com Fernandes, Sorocaba ainda enfrenta epidemia de dengue, pois a média é de 530 casos para cada 100 mil habitantes. O secretário afirma que a expectativa é desafogar o atendimento das duas unidades Pré-Hospitalares (UPHs) e das Unidades Básicas de Saúde (UBS) da zona norte, pela facilidade de deslocamento até o novo ponto de atendimento.

O prefeito Antonio carlos Pannunzio também esteve no Centro de Monitoramento e observou que há algumas semanas o número de novos casos se estabilizou, o que indica uma provável diminuição da taxa de crescimento em breve.

Estrutura

A expectativa de atendimento no Centro de Monitoramento norte é de 250 pessoas por dia. No entanto, se houver maior demanda, o secretário diz que é possível potencializar os serviços na unidade. Em um salão da igreja, foram colocadas 15 poltronas-leito para hidratação, porém, se for necessário ampliar o atendimento, há condições de dobrar o número, ou seja, 30. Segundo ele, os suportes têm capacidade para duas bolsas de soro. "Então, colocamos uma cadeira próximo ao local da hidratação e atenderemos duas pessoas", diz. Falou que a zona norte continua sendo uma preocupação da administração, por isso a criação de mais um centro de monitoramento, o que, para eles, foi bom quando surgiu a parceria dos mórmons e das universidades.

No novo Centro de Monitoramento, a igreja fez poucas adaptações. Há sala para coleta de exames laboratoriais, duas salas para acolhimento e uma de espera. Nos setores de acolhimento e hidratação, haverá enfermeiros o tempo todo. O sistema de informática já está conectado à central da Vigilância Epidemiológica, de modo que todas as informações necessárias sobre os pacientes e casos de dengue estarão disponíveis para todas as unidades de saúde e para a Secretaria de Estado da Saúde e Ministério da Saúde.

Não será 24h

Dos médicos que atenderão no Centro de Monitoramento norte, três estão entre os cinco contratados pela prefeitura no último processo seletivo e outros dois são militares. "Teremos um médico o tempo todo e dois por período", informa. O Centro de Monitoramento da Dengue da zona norte funcionará em um salão da igreja, situado na avenida Itavuvu, 5.555, às segundas-feiras, das 7h às 19h, e de terça a sábado, das 7h às 22h. Não haverá expediente aos domingos por conta de normas e rotinas da própria igreja. "Eles se ofereceram para nos ajudar, então, não podemos abusar também", comenta.

De acordo com o secretário, não é necessário funcionar 24 horas, justamente porque o período de maior movimentação de pacientes é entre as 10h e 22h: "De madrugada, pela experiência que temos com o Centro de Monitoramento da zona leste, o movimento é muito baixo". Em casos de necessidade, as pessoas têm à disposição a Unidade Pré-Hospitalar Zona Norte e a Unidade Básica de Saúde do Parque das Laranjeiras, que funcionam dia e noite. De madrugada, inclusive, há um serviço de transporte disponibilizado aos pacientes, segundo o secretário, fazendo a conexão entre as unidades de saúde.

A partir de hoje, a Secretaria Municipal da Saúde começará a divulgar os números em cada bairro, a fim de as equipes de vigilância acompanharem a evolução da doença de maneira mais precisa. Por exemplo, no Jardim Nova Esperança, onde o índice estava alto, nesta semana que passou, o fator caiu em 9%; contudo, no Jardim Simus, observou-se um avanço da doença em torno de 16%.

UBSs funcionam no feriadão

Considerando-se o número de casos registrados na zona norte da cidade, neste final de semana, excepcionalmente, em que há o feriado prolongado em função do Dia da Inconfidência Mineira, o prefeito Antonio Carlos Pannunzio (PSDB) já autorizou o pagamento de horas extras para que os servidores das Unidades Básicas de Saúde (UBSs) da Vila Fiori e Lopes de Oliveira possam trabalhar sábado, domingo, segunda e terça-feira. As unidades funcionarão das 7h às 19h. "Como segunda é ponto facultativo, será o único em que os funcionários não receberão as horas extras, mas nos outros dias, tudo será devidamente pago", informa. No final de semana passado, a UBS Lopes de Oliveira recebeu 660 pacientes, enquanto na Vila Fiori foram 470 atendimentos. (Fernando Guimarães e Sabrina Souza)

Deixe seu Recado