SMetal

Imprensa

O golpe

Quem são os escolhidos de Temer

Quarta-feira, 18 de Maio de 2016 - 15:54 - Atualizado em 27/12/2016 14:46
Imprensa SMetal

,
Com essa composição de governo de Temer não resta dúvidas que o objetivo do processo de impeachment não é o combate à corrupção
Há uma petição online que exige a suspensão da nomeação de sete ministros de Temer, que são investigados pela Operação Lava-Jato. Assim como Lula não pode assumir o cargo no mandato de Dilma, a lei deve ser aplicada a todos. Ou não? Acesse o link: bit.ly/1Wv0Rbr

Empresas envolvidas na Lava Jato fizeram doações legais às campanhas de 12 dos 13 ministros nomeados por Temer, que se candidataram a algum cargo eletivo em 2014.

Com essa composição de governo de Temer não resta dúvidas que o objetivo do processo de impeachment não é o combate à corrupção. Ele terá que cumprir os acordos feitos com os apoiadores do golpe e o custo disso cairá sobre a sociedade brasileira.

 

,
Imagem


Relações Exteriores -
José Serra (senador/PSDB-SP)
Está presente em 20 páginas de certidão emitidas por crimes eleitorais e responde a três processos ativos por corrupção. Como senador, é autor do PL que desobriga a Petrobrás de ser a operadora única e de ter participação mínima de 30% na exploração da camada do pré-sal, entregando-o a ‘preço de banana’ para as multinacionais do petróleo.

 

,
Imagem
 

Casa Civl - Eliseu Padilha (dep. federal/PMDB-RS)
Quando era ministro dos Transportes do governo FHC (1997-2001), Padilha foi citado no escândalo dos Precatórios, sendo acusado de fraude no pagamento de dívidas judiciais, e segue como réu em ações que tramitam no STF. No escândalo, advogados e procuradores foram acusados de elevar os valores devidos pela União.

 

 

 

,
Imagem

Defesa - Raul Jungmann (dep. federal/PPS-PE)

Foi acusado pela PGR de participar de um esquema de desvio de recursos públicos para pagamento de contratos de publicidade no Incra, época em que foi ministro do Desenvolvimento Agrário, entre 1998 e 2001. Chegou a ser investigado por fraude em licitação, peculato e corrupção. Os contratos somavam R$ 33 milhões. A Justiça arquivou o inquérito.

 

 

,
Imagem

Secretaria de Governo - Geddel Vieira Lima (PMDB-BA)

Geddel já esteve ligado a escândalos de corrupção, como no caso dos Anões do Orçamento, há 23 anos. No início de 2016, foi citado na Operação Lava Jato, suspeito de negociar propina com a construtora OAS, uma das maiores empresas brasileiras no setor de engenharia e infraestrutura.

 

,
Imagem

Agricultura, Pecuária e Abastecimento - Blairo Maggi (senador/ PR-MT)

Bilionário brasileiro, integrante da bancada ruralista, é um dos maiores produtores de soja do mundo. Já entra com a polêmica de ter relatado uma PEC que praticamente propõe o fim do licenciamento ambiental. Blairo está no centro de uma investigação federal sobre desvios de recursos públicos em Mato Grosso.

,
Imagem

Desenvolvimento Social e Agrário - Osmar Terra (dep. federal/PMDB-RS)

O Tribunal de Contas do Estado do Rio Grande do Sul apontou irregularidades nas gestões de Osmar Terra, quando exercia o cargo de Secretária de Saúde em uma prefeitura, em 2009. Foi condenado ao pagamento de multa.

 

,
Imagem

Educação e Cultura - Mendonça Filho (dep. federal/DEM-PE)

Quatro diretores da construtora Camargo Corrêa e outras seis pessoas citam uma contribuição de R$ 100 mil de uma empresa do grupo a Mendonça Filho. Ele também aparece na Operação Castelo de Areia, suspeito de ter recebido R$ 100 mil da empreiteira Camargo Correia. Ele admitiu ter recebido mais, R$ 300 mil, mas dentro da lei.

 

,
Imagem

Justiça e Cidadania  - Alexandre de Moraes (PSDB-SP)

É citado em inquéritos que investigam o Primeiro Comando da Capital (PCC) e a empresa Transcooper. Em 2016, à frente da Secretaria Segurança do Estado de SP, tornou sigilosos boletins de ocorrência registrados pela polícia e de manuais e procedimentos da PM. Foi advogado de Eduardo Cunha em uma ação sobre uso de documento falso.

,
Imagem

Planejamento - Romero Jucá (senador/PMDB-RR)

Está na lista da Procuradoria Geral na Lava Jato e na Zelotes, acusado de ser um dos beneficiários do esquema de desvios de recursos na Petrobrás e na Receita Federal. É autor do projeto de lei que ‘afrouxa’ as regras de licenciamento ambiental para obras consideradas estratégicas, proposta criticada por ambientalistas.

,
Imagem


Saúde - Ricardo Barros (dep. federal/PP-PR)

É citado em inquérito que investiga orientação dada por ele para direcionar uma licitação de publicidade da prefeitura de Maringá. Com atuação na área de indústria e comércio, o novo ministro não tem histórico de contribuições na área da saúde.

 

 

 

 

,
Imagem

Transportes, Portos e Aviação Civil - Mauricio Quintella (dep. federal/PR-AL)

Em 2014, foi condenado pela Justiça Federal, ao lado de outras nove pessoas, a ressarcir R$ 133,6 milhões à União pela participação em esquema de desvio de recursos da merenda escolar em Alagoas. Foi investigado na Operação Gabiru, da PF, pelos atos cometidos quando era secretário de estado da Educação, em Alagoas, durante o governo Ronaldo Lessa.

,
Imagem

Gabinete de Segurança Institucional - Sérgio Etchegoyen

É general de Exército da ativa. Filho do general Leo Guedes Etchegoyen, que foi citado na Comissão da Verdade por graves violações aos diretos humanos durante a ditadura militar. Ele considerou o relatório da Comissão como ‘leviano’.

 

 

Deixe seu Recado