SMetal

Imprensa

Educação

Professores encerram a maior greve da história de São Paulo

"É hora de parar, fazer um balanço. Professores têm família e contas a pagar. É lamentável que a greve tenha terminado sem constituir reajuste", afirmou Bebel, presidente da Apeoesp

Segunda-feira, 15 de Junho de 2015 - Atualizado em 27/12/2016 13:56
Imprensa da CUT

,
Segundo a Apeoesp, a decisão saiu após uma votação em assembleia geral, com a presença de 8 mil professores
Os professores da rede estadual de ensino encerraram, na última sexta-feira, dia 12, a maior greve da história do estado de São Paulo. Foram 92 dias de paralisação, lutando contra o bloqueio midiático e a falta de disposição do governador Geraldo Alckmin (PSDB) para negociar.

"Foi uma greve de resistência que foi virando uma greve pela sobrevivência. É hora de parar, fazer um balanço. Professores têm família e contas a pagar. É lamentável que a greve tenha terminado sem constituir reajuste, mas o governo também deve fazer o seu balanço e também tem o seu preço", afirmou Maria Izabel Noronha, conhecida como Bebel, presidente do Sindicato dos Professores do Ensino Oficial do Estado de São Paulo (Apeoesp).

A decisão saiu após uma votação em assembleia geral, com a presença de 8 mil professores, segundo a Apeoesp [1 mil, segundo a PM]. Ainda no local, Bebel ponderou que o fim da greve é uma "enorme derrota" para o governo paulista.

Segundo a Apeoesp, 30% dos professores da rede estadual de ensino estavam paralisados. O governo de São Paulo afirma que era apenas 5% da categoria.

Deixe seu Recado