SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

Metalúrgicos da Edscha aprovam acordo coletivo

Além do acordo coletivo, trabalhadores aprovaram aumento de 55,17% no vale alimentação, reposição da inflação e garantias contra medidas da reforma

Sexta-feira, 24 de Novembro de 2017 - 12:43 - Atualizado em 24/11/2017 13:25
Imprensa SMetal

,
Trabalhadores da Edscha
Na tarde dessa quinta-feira, 23, trabalhadores da Edscha, aprovaram por unanimidade a proposta da Campanha Salarial, que inclui a renovação do acordo coletivo na íntegra com salvaguarda, reposição da inflação e aumento no vale alimentação.

A salvaguarda protege os metalúrgicos contra medidas da Reforma Trabalhista e contra a terceirização irrestrita.

O vale alimentação será reajustado de R$ 145 para R$ 180, e sem desconto no holerite.

Considerando a média da fábrica, que é de R$ 2.900, o desconto do vale alimentação no holerite era de 20% antes do acordo. Ou seja, o vale alimentação de R$ 145, com o desconto, caía para R$ 116,00.

Com o acordo, o aumento no pode de compra do vale, de R$ 180, chega a 55,17%.

No ano, o trabalhador com essa média salarial terá R$ 768 a mais no bolso.

Para o secretário geral do SMetal, Silvio Ferreira, essa aprovação foi vitoriosa por oferecer a renovação das cláusulas da convenção e também conquistar aumento na remuneração total do metalúrgico (salário + benefícios). “Com base no salário médio de R$ 2.900, o aumento do vale cesta é equivalente a um aumento real de 2,21%. Com o reajuste da inflação pelo INPC, totaliza 3,98% de aumento na remuneração mensal”.

Todas as cláusulas do acordo são retroativas a 1º de setembro, que é a data-base da categoria. Portanto, os trabalhadores da Edscha têm direito a uma diferença no valor do vale alimentação, que será paga pela empresa junto com o próximo vale alimentação.

A Edscha tem cerca de 500 trabalhadores e fica na zona industrial de Sorocaba. Ela responde ao grupo patronal do setor de autopeças (G3), que não fechou negociação com a Federação Estadual dos Sindicatos Metalúrgicos (FEM/CUT). Por isso, o acordo coletivo teve que ser firmado na fábrica.

Deixe seu Recado