SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

Metalúrgicos aprovam comunicado de greve

Durante protesto nesta quarta-feira, metalúrgicos de Sorocaba autorizaram FEM/CUT a enviar aviso de greve aos patrões na sexta, caso não melhorem as propostas de reajustes salariais

Quinta-feira, 24 de Setembro de 2015 - 11:08 - Atualizado em 27/12/2016 14:14
Imprensa SMetal

,
Mais de seis mil metalúrgicos se encontraram no estacionamento da Prefeitura Municipal de Sorocaba, em frente a Ciesp, por quatro horas
"O recado está dado. Se os patrões não cederem reajustes salariais decentes e garantirem as cláusulas sociais da convenção coletiva, os metalúrgicos vão parar a produção", afirmou o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal), Ademilson Terto da Silva, após uma manifestação que reuniu mais de 6 mil trabalhadores em Sorocaba na manhã desta quarta-feira, dia 23.

O objetivo do protesto, realizado no estacionamento da Prefeitura Municipal, que fica em frente à sede local do Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo), foi pressionar os empresários para que agilizem as negociações da campanha salarial da categoria.

O presidente da Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT (FEM), Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, que lidera a bancada dos trabalhadores nas negociações estaduais da categoria, afirmou que o prazo final para os grupos patronais apresentarem propostas vence nesta sexta-feira, dia 25. Depois disso, a categoria poderá entrar em greve.

"Se até sexta os empresários não vierem com propostas viáveis de acordo, que possam ser levadas para votação em assembleias, imediatamente vamos protocolar avisos de greve válidos para todas as bases da FEM/CUT no estado", explicou o dirigente, que veio a Sorocaba especialmente para participar do ato organizado pelo SMetal.

Durante o ato, os metalúrgicos de Sorocaba fizeram uma votação simbólica que aprovou o envio do aviso de greve aos grupos patronais na sexta-feira.

Luizão disse que, após a entrega oficial do aviso de greve, respeitados os prazos legais, as paralisações devem começar entre terça e quarta-feira da próxima semana.


Data-base e inflação

A data-base da categoria venceu no dia 1º de setembro e, até agora, das seis bancadas patronais do setor, apenas três apresentaram proposta de reajustes de salários. Mesmo as três propostas apresentadas não repõem sequer as perdas salariais causadas pela inflação dos últimos 12 meses, que está acumulada em 9,88%.

O protesto começou às 5h e terminou às 9h. Após esse horário, os metalúrgicos foram para o trabalho nas fábricas.

Deixe seu Recado