SMetal

Imprensa

Operação Timóteo

Malafaia é alvo de condução coercitiva por suspeita de lavagem de dinheiro

Pastor da Associação Vitória em Cristo teria recebido valores de escritório ligado a esquema de desvio de royalties da exploração mineral

Sexta-feira, 16 de Dezembro de 2016 - 09:57 - Atualizado em 09/01/2017 09:02
Carta Capital

,
Segundo a PF, Malafaia recebeu valores do principal escritório de advocacia responsável pelo esquema
O pastor evangélico Silas Malafaia, da Associação Vitória em Cristo, foi alvo de um mandado de condução coercitiva cumprido nesta sexta-feira 16 pela Polícia Federal no âmbito da Operação Timóteo, que investiga um esquema de corrupção em cobranças judiciais de royalties da exploração mineral.

De acordo com a Polícia Federal, está sob investigação um suposto esquema liderado por um Diretor do Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). Ele teria informações privilegiadas a respeito da chamada Compensação Financeira pela Exploração de Recursos Minerais (CFEM), que tem 65% de sua receita repassada aos municípios. De acordo com o jornal O Estado de S.Paulo, o diretor do DNPM é Marco Antonio Valadares Moreira.

Segundo as investigações, ciente das informações sobre as dívidas de royalties, esse diretor oferecia aos municípios os serviços de dois escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria para agilizar o recebimento dos créditos de CFEM.

Para a PF, trata-se de uma organização criminosa dividida em quatro núcleos: O primeiro era o núcleo captador, formado por um diretor do DNPM e sua esposa, que realizava a captação de prefeitos interessados em ingressar no esquema. O segundo era o núcleo operacional, composto por escritórios de advocacia e uma empresa de consultoria em nome da esposa do diretor do DNPM, que repassava valores indevidos a agentes públicos.

O núcleo político era formado por agentes políticos e servidores públicos responsáveis pela contratação dos escritórios de advocacia integrantes do esquema. O núcleo colaborador, por sua vez, seria responsável por auxiliar na ocultação e dissimulação do dinheiro.

Malafaia é suspeito de compor este quarto núcleo. Segundo a PF, ele recebeu valores do principal escritório de advocacia responsável pelo esquema e pode ter emprestado contas correntes de uma instituição religiosa sob sua influência com a intenção de ocultar a origem ilícita dos valores.

O nome da operação da PF é uma referência bíblica, ao livro de Timóteo. Na explicação do nome da ação, a PF cita o versículo nove do capítulo seis do livro: "Os que querem ficar ricos caem em tentação, em armadilhas e em muitos desejos descontrolados e nocivos, que levam os homens a mergulharem na ruína e na destruição."

Ainda segundo a PF, a operação colocou nas ruas 300 policiais federais para cumprir 29 conduções coercitivas, quatro mandados de prisão preventiva, 12 mandados de prisão temporária, o sequestro de três imóveis e bloqueio judicial de valores depositados que podem alcançar 70 milhões de reais. As ações ocorreram de forma simultânea no Distrito Federal e em 11 estados: Bahia, Goiás, Mato Grosso, Minas Gerais, Pará, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e Tocantins

A Justiça determinou ainda que os municípios se abstenham de realizar quaisquer atos de contratação ou pagamento aos escritórios de advocacia e à consultoria sob investigação.

Deixe seu Recado