SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

Inflação acumulada fecha em 3,64%; FEM e SMetal lutam por aumento real

Quinta-feira, 13 de Setembro de 2018 - 10:48 - Atualizado em 13/09/2018 11:00
Imprensa SMetal

inflação,, Arte: Lucas Delgado
Índices dos últimos 12 meses, período da data-base dos metalúrgicos da CUT Arte: Lucas Delgado
Divulgado na manhã da última quinta-feira, dia 6, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) não registou variação em agosto (0,00%). Portanto, a inflação acumulada referente aos últimos 12 meses, período da Campanha Salarial dos Metalúrgicos 2018, fechou em 3,64%.

A partir dos próximos dias, esgotando as discussões da cláusulas sociais da Convenção Coletiva de Trabalho (CCT), inicia-se o debate econômico com as bancadas patronais. A reivindicação da Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM-CUT/SP) é reposição da inflação (3,64%) mais aumento real.

“No ano passado, devido à crise econômica e política do país, não foi possível negociar aumento real na Campanha, mas já deixamos claro em todas as mesas de negociação que neste ano será diferente”, afirma o secretário-geral da FEM e dirigente do SMetal Sorocaba, Adilson Faustino (Carpinha). Na data-base de 2017, a inflação acumulada foi de 1,73%.

Cláusulas sociais

As negociações das cláusulas sociais vem sendo debatidas desde abril entre a Federação e parte das bancadas patronais nas mesas permanentes.

Além da manutenção dos direitos garantidos na CCT e adaptação da redação de algumas cláusulas para atender as necessidades dos metalúrgicos, pelos menos duas novas propostas tiveram destaque nas negociações: barrar o trabalho intermitente, previsto na Reforma Trabalhista, e garantir estabilidade ao trabalhador em tratamento de câncer.

Segundo Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, presidente da Federação, é urgente frear essa nova modalidade de contratação. “O trabalhador intermitente corre o risco de não ganhar nem o salário mínimo em um mês, de não atingir o mínimo de rendimentos para a contribuição do INSS, correndo o risco de nunca conseguir se aposentar”, denunciou.

Segundo um estudo realizado pela subseção do DIEESE da FEM-CUT/SP, entre os meses de abril a junho, foram registradas 1.261 admissões de trabalho intermitente no setor em todo Brasil, sendo 215 em São Paulo e 75 na base de representação da Federação.

Sobre a cláusula que prevê a garantia de estabilidade ao trabalhador com câncer até a cura ou afastamento em definitivo, Luizão explica que os tribunais tratam as dispensas nesses casos como discriminatórias. “Essa cláusula é para que o trabalhador não precise recorrer a um advogado, enfrentar mais esse desgaste e só depois ser reintegrado”, reforça o presidente da FEM-CUT.

Saiba mais

Os eixos da Campanha Salarial são: Convenção Coletiva é direito, Participação é democracia, Salário é emprego e Reposição integral da inflação e aumento real.

Deixe seu Recado