SMetal

Imprensa

#LulaLivre

Gregório Duvivier: "A imbecilidade do antilulismo faz o lulismo ressurgir mais forte do que nunca"

Segunda-feira, 09 de Abril de 2018 - 10:25 - Atualizado em 09/04/2018 10:56
Revista Fórum

lula, abc,  Ricardo Stuckert
O ex presidente Luiz Inacio Lula da Silva no braço do povo depois da missa e discursos em frente ao sindicato dos metalúrgicos no ABC Ricardo Stuckert
O texto de Gregório Duvivier, na Folha desta segunda-feira (9), retoma toda a trajetória de Lula comparando-a com a sua, e chega à conclusão que o ódio contra o ex-presidente consegue restaurar o “lulismo”. De acordo com o colunista, até as críticas que ele mesmo tinha se tornaram menores.

“Quando um dono de puteiro diz, sob os aplausos da multidão, que vai dar cerveja de graça por um mês se matarem o Lula na cadeia, fico com vontade de acampar na porta da PF. Cada vez que um comediante de stand-up faz alguma piada bosta com o fato de o Lula ter nove dedos, me dá vontade de cortar um dedo e mergulhar a mão no petróleo.”

O colunista continua: “Cada vez que alguém idolatra um juiz que acha justo ganhar auxílio-moradia mesmo tendo moradia, tenho vontade de tatuar uma estrela no braço. Cada vez que alguém diz que “o bom filho à casa torna”, postando foto de Lula preso pela ditadura, deixando bem claro que as prisões têm razões muito parecidas, eu ponho uma caixa de som na janela tocando ‘Lula lá/Brilha uma estrela’”.

No final, Gregório conclui de maneira taxativa: “A imbecilidade do antilulismo e tudo o que ele tem de classista, rentista e reacionário estão fazendo o lulismo ressurgir mais forte do que nunca. Parabéns aos envolvidos. Agora dorme com um barulho desses: ‘Lula lá/Brilha uma estrela/ Lula Lá…’”

 

Leia abaixo a íntegra do artigo:

Tirei título de eleitor assim que fiz 16. Não via a hora de votar no Lula — mesmo sabendo que não ganharia nunca. Toda eleição tinha Lula. Toda eleição Lula perdia. Torcia pro Lula mesmo sabendo que ele não ganhava. [...]

Quando Lula ganhou, parecia que tinha se quebrado um encanto milenar. A culpa —pensava eu— é minha, é nossa, é da nossa geração que veio pra mudar tudo. [...]

Aos poucos, entendi que a vitória do Lula tinha pouco a ver com o voto da minha geração — e mais com Duda Mendonça, José Alencar, Emílio Odebrecht. E acho que o carisma do Serra também ajudou. No olhar do jovem que esperava reforma agrária e tributária, Lula se parecia demais com os presidentes anteriores. Gostava mais do Lula que perdia. Achei que o novo Lula, tão pró-banco, tão anti-Lula, tinha conseguido enterrar o lulismo. Ao menos dentro de mim. Ledo engano.

Quando um dono de puteiro diz, sob os aplausos da multidão, que vai dar cerveja de graça por um mês se matarem o Lula na cadeia, fico com vontade de acampar na porta da PF. Cada vez que um comediante de stand-up faz alguma piada bosta com o fato de o Lula ter nove dedos, me dá vontade de cortar um dedo e mergulhar a mão no petróleo.

Cada vez que alguém idolatra um juiz que acha justo ganhar auxílio-moradia mesmo tendo moradia, tenho vontade de tatuar uma estrela no braço. Cada vez que alguém diz que “o bom filho à casa torna”, postando foto de Lula preso pela ditadura, deixando bem claro que as prisões têm razões muito parecidas, eu ponho uma caixa de som na janela tocando “Lula lá/Brilha uma estrela”.

A imbecilidade do antilulismo e tudo o que ele tem de classista, rentista e reacionário estão fazendo o lulismo ressurgir mais forte do que nunca. Parabéns aos envolvidos. Agora dorme com um barulho desses: “Lula lá/Brilha uma estrela/ Lula Lá…”

Deixe seu Recado