SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

FEM/CUT inicia rodadas de negociação com Grupo 2 e Fundição

Sexta-feira, 23 de Agosto de 2019 - 11:14 - Atualizado em 13/09/2019 15:01
Imprensa Sindicato dos Metalúrgicos do ABC

grupo 2, reunião, campanha, salarial, reajuste, g2, luizão, Raquel Camargo
No G2, os patrões alegam que estão sofrendo com as medidas do governo de liberar a importação de máquinas, equipamentos e componentes eletrônicosRaquel Camargo
A FEM/CUT (Federação Estadual dos Metalúrgicos da CUT) realizou nesta terça-feira, 20, as primeiras rodadas de negociação de Campanha Salarial 2019 com as bancadas patronais do Grupo 2 (Sindimaq e Sinaees) e da Fundição, em São Paulo.

O presidente da FEM/CUT, Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão, explicou que as duas bancadas patronais assinaram, no ano passado, a Convenção Coletiva de Trabalho com validade de dois anos.

“Diante das incertezas no país, nós trabalhadores fizemos o pedido para as duas bancadas patronais estenderem a validade da Convenção por mais um ano, de agosto de 2020 até agosto de 2021”, afirmou. Os sindicatos patronais, em contrapartida, reclamaram muito da situação econômica e política do país.

Pela manhã, a reunião foi com o G2. “Neste grupo, os patrões alegam que estão sofrendo muito com as medidas do governo de liberar a importação de máquinas, equipamentos e componentes eletrônicos”, contou.

 “A bancada dos trabalhadores lembrou que muitos empresários, inclusive sindicatos patronais, declararam publicamente o apoio a esse governo durante o período de eleições. Nós já alertávamos o risco que seria um governo sem projeto de política industrial para o país”, explicou.

Na parte da tarde, a reunião foi com os representantes da Fundição. “O relato que ouvimos é que o setor segue apreensivo com o desempenho da economia brasileira, sem previsão de crescimento nem contratação. Mesmo com a choradeira, a demonstração nos dois grupos foi de querer chegar a um entendimento nesta Campanha Salarial”, ressaltou.

Outro tema discutido nos dois grupos foi a cláusula do Seguro de Vida e a necessidade de renovação anual. “Essa cláusula foi conquistada na Convenção Coletiva do ano passado e garante o trabalhador em caso de morte natural ou acidental, invalidez permanente e auxílio funeral. Mas essa apólice é anual e precisa ser renovada. Por isso, é importante que os trabalhadores cobrem a sua empresa a cumprir a cláusula”, disse.

Novas reuniões estão agendadas para hoje com o G3 e amanhã, com a Estamparia. Com os outros grupos, as reuniões estão marcadas para a semana que vem. Embora tenham sido procurados diversas vezes, o Sindratar e o G8.2 ainda não agendaram datas de negociação.

Tema e eixos

O tema da Campanha Salarial este ano é ‘Mais emprego, mais direito e mais salário’. Os eixos são: reposição integral da inflação mais aumento real; manutenção e a aplicação das Convenções Coletivas; respeito às entidades Sindicais; contra o fim das NRs (Normas Regulamentadoras) e redução da jornada de trabalho sem redução de salário.

A pauta de reivindicações foi entregue aos patrões no dia 4 de julho. Este ano alguns grupos terão a discussão somente econômica, a pauta parcial, já que têm a CCT garantida por dois anos. São eles: Grupo 2, Grupo 3, Sindratar, Sindicel e Fundição.

A pauta cheia, com as cláusulas econômicas e sociais, será negociada com o G8.2, G8.3 e Estamparia, já que a CCT vale até 31 de agosto deste ano. Já o G10, que não tem Convenção Coletiva assinada, também recebeu a pauta cheia para discutir tanto as cláusulas sociais quanto as econômicas.

Deixe seu Recado