SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

FEM/CUT e SMetal protocolam avisos de greve

A FEM protocolou comunicado de greve nos Grupos 3, 10 e Sindicel por não terem propostas que contemplem as expectativas da categoria metalúrgica

Quinta-feira, 26 de Outubro de 2017 - 09:35 - Atualizado em 26/10/2017 12:23
Imprensa SMetal

campanha, salarial, greve, schaeffler, Foguinho/ Imprensa SMetal
Durante assembleia realizada pelo SMetal, na tarde de quarta-feira, 25, trabalhadores aprovam greve, que pode se iniciar a qualquer momentoFoguinho/ Imprensa SMetal
Os trabalhadores do grupo Schaeffler, em Sorocaba, podem entrar em greve a qualquer momento. A paralisação foi aprovada em assembleia na tarde de quarta-feira, dia 25. A fabricante de autopeças faz parte do Grupo 3, que ainda chegou a um acordo da campanha salarial do setor.

Segundo o presidente do SMetal, Leandro Soares, as greves e protestos nas empresas da base do SMetal irão começar em breve “para pressionar o setor patronal a assinar a Convenção Coletiva, com as cláusulas de proteção, que visam impedir os patrões de fazerem o que quiserem com os trabalhadores após a Reforma Trabalhista entrar em vigor”.

Na região do ABC foi deflagrada greve na ZF na manhã dessa quarta-feira, 25.

Aviso estadual

Como a bancada patronal ainda não apresentou proposta aceitável de acordo, na segunda-feira, 23, a Federação dos Metalúrgicos da CUT (FEM) protocolou aviso de greve no Sindipeças, que representa o Grupo 3 (Forjaria, parafusos e autopeças), no Grupo 10 (equipamentos odontológicos; mecânica, entre outros) e no Sindicel (condutores elétricos, trefilação e laminação).

Após 48h da entrega do comunicado, as greves podem começar em qualquer fábricas desses grupos nas regiões onde os sindicatos são filiados à FEM no estado, como é o caso de Sorocaba.

O SMetal tem ressaltado para as empresas da região que está aberto ao diálogo, mas que espera que os patrões locais façam a parte deles ao pressionar seus representantes na Fiesp (Federação da Indústrias de São Paulo), a fim de que sejam assinadas as Convenções Coletivas com as cláusulas de proteção contra a terceirização e a reforma trabalhista.

Deixe seu Recado