SMetal

Imprensa

Inflação

Em três meses, inflação acumulada é a maior desde 2002

Em análise dos meses setembro, outubro e novembro, subsequentes à data-base dos metalúrgicos, inflação de 2022 é a maior registrada desde 2002, ficando em 3,23% desde a última Campanha Salarial

Terça-feira, 14 de Dezembro de 2021 - 16:45
Imprensa SMetal

, Imprensa SMetal
Nos últimos três meses do ano, que são subsequentes à data-base dos metalúrgicos, inflação já soma 3,23%Imprensa SMetal
Até novembro de 2021 os trabalhadores da base do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) já somam 3,23% de perdas salariais desde a última data-base, em setembro deste ano. A inflação acumulada em três meses (setembro a novembro) é a maior verificada desde 2002, quando foi registrado 5,88% para o mesmo período.

Os dados, divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) e organizados pela subseção dos metalúrgicos de Sorocaba do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico (Dieese), mostram ainda que o percentual verificado neste ano é superior ao mesmo período de outros anos anteriores.

Para se ter uma ideia, em 2017, 2018, 2019 e 2020 a inflação medida pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) ficou, respectivamente, em: 0,32%, 0,53%, 0,45%, 0,53% e 2,53%.

Luta e mobilização

“Em cada Campanha Salarial, um eixo diferente é defendido. Nosso denominador comum é, e sempre será, benefícios e garantias para a categoria. Em 2021, foi a vez de reafirmar o compromisso construído pelo nosso mandato e, mesmo vindo de uma pandemia, garantimos emprego, renda e benefícios”, comenta Leandro Soares, presidente do SMetal.

A fala de Leandro remonta toda a trajetória de lutas que mobilizou a diretoria e os dirigentes da entidade na última Campanha Salarial. Em um momento em que 56% dos reajustes da data-base de setembro ficaram abaixo da inflação, o Sindicato garantiu acordos que cobriram integralmente a inflação ou até mesmo ultrapassaram o percentual apresentando aumento real no salário dos metalúrgicos e metalúrgicas da base.

Foram muitas reuniões e assembleias, para chegar, hoje, com acordos de reajuste salarial integral a inflação (ou acima dela) para 96% da base. Nos meses que se passaram entre as negociações da Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM/CUT), o SMetal e as bancadas patronais, muitos desafios tiveram de ser superados.

“Nossa prerrogativa era garantir a integralidade da inflação e, onde fosse possível, lutar por algo a mais. Quando grupos patronais sugeriram parcelar o reajuste em duas, até três vezes, percebemos que a luta na Campanha de 2021 seria intensa. Graças a credibilidade que a entidade possuí, e o bom diálogo que buscamos sempre preservar, hoje 96% dos companheiros têm reajuste e renovação das cláusulas sociais. Isso é fruto de muito trabalho sindical”, defende Leandro.

Negociações

Ao todo, 96% da categoria foi beneficiada com as negociações da Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM-CUT/SP) e do SMetal Sorocaba até agora. Há acordos com 49 empresas no site do Sindicato. Mas, no total, são aproximadamente de 2.250 trabalhadores de 121 fábricas do Grupo 10 contemplados com reajuste salarial igual ou superior à inflação, de 10,42% (INPC), e cláusulas sociais previstas na CCT, que é uma das poucas ferramentas de proteção aos direitos dos trabalhadores que ainda existem.

Deixe seu Recado