SMetal

Imprensa

Polícia

Detido em flagrante, Maldonado nega que ficaria com os dólares

O ex-secretário é acusado de furto de 1 mil dólares, encontrados no aeroporto de Campinas; ele recebeu voz de prisão em flagrante, pagou fiança de R$ 1,5 mil e vai responder em liberdade

Segunda-feira, 09 de Janeiro de 2017 - 10:21 - Atualizado em 26/01/2017 07:29
Jornal Cruzeiro do Sul

,
Em posse de mil dólares encontrados, com pressa de embarcar e sem saber a quem devolver. É assim que o ex-secretário municipal e ex-diretor-geral do Saae, Rodrigo Antonio Maldonado Silveira, afirma ter sido detido no aeroporto internacional de Campinas na manhã do sábado (7), acusado de furto. Ele foi preso na área de embarque internacional do Aeroporto Viracopos, por volta das 6h40, após um casal ter procurado a delegacia de polícia no aeroporto pedindo para ver as imagens do videomonitoramento, já que havia dado pela falta do dinheiro e documento.

Segundo a Secretaria Estadual da Segurança Pública (SSP/SP), Maldonado foi reconhecido no vídeo e, quando abordado pelos policiais, confessou ter ficado com o dinheiro. Ele afirma, porém, que pretendia devolver o valor encontrado, e nega a acusação de furto. O ex-secretário recebeu voz de prisão em flagrante, pagou fiança de R$ 1,5 mil e vai responder em liberdade.

Questionado se pretendia embarcar com o dinheiro para os EUA, em entrevista telefônica ao Cruzeiro do Sul na tarde deste domingo (8), Maldonado disse que, pelo Código Civil, há o prazo de 15 dias para devolver algo encontrado cujo dono é desconhecido. Afirmou que, naquele momento, estava priorizando o embarque da própria família e, correndo pelo aeroporto lotado em companhia dos filhos, não conseguiu pensar no que fazer. "Forçoso reconhecer que cometi dois erros, primeiramente por estar com algo sem identificação, o que passou a ser de minha responsabilidade, e não ter procurado de imediato a autoridade policial", divulgou Maldonado neste domingo. A intenção dele é embarcar para os EUA nesta segunda-feira (9).

Documento devolvido

O casal proprietário do dinheiro procurou a polícia informando que o filho teria perdido o envelope onde estavam o dinheiro e o cartão "green card", um visto permanente para entrar nos Estados Unidos da América (EUA). Nas imagens, segundo a SSP/SP, foi possível observar que Maldonado entregou o documento (green card) no guichê de uma companhia aérea.

Maldonado disse que estava em companhia da esposa e dos dois filhos para fazer o check-in, quando, "no saguão, encontrei um cartão que posteriormente fiquei sabendo que seria um green card, que entreguei no balcão da companhia aérea. Mais adiante, aproximadamente 2 a 3 metros de distância, achei um envelope pequeno sem qualquer identificação, que depois constatei conterem US$ 1 mil em espécie." Segundo ele, o documento e o dinheiro não estavam juntos.

Contou que, em companhia da família na sala de embarque, foi abordado por policiais que perguntaram se ele havia encontrado algo no saguão do aeroporto. "De pronto respondi que sim e imediatamente entreguei o envelope aos policiais. Nesse momento fomos conduzidos à delegacia." Maldonado entende errado o fato de o caso ter sido tipificado como furto, "quando, na verdade, seria no máximo apropriação da coisa perdida", argumenta. "Vou me defender em todos os canais necessários, com a certeza de continuar com minha ficha limpa, como sempre fui!", divulgou.

Leia a íntegra da nota publicada por Maldonado:

Esclarecimento Público

Lamentando profundamente o ocorrido no aeroporto de Viracopos, neste sábado (07/11), e a fim de tranquilizar familiares e amigos, sinto-me na obrigação de fazer um esclarecimento público sobre o assunto. Infelizmente houve uma interpretação errônea sobre o acontecido, como esclareço abaixo.
Chegamos ao aeroporto - eu, minha esposa e meus dois filhos -, para fazer o check-in, quando, no saguão, encontrei um cartão que posteriormente fiquei sabendo que seria um green card, que entreguei no balcão da companhia aérea. Mais adiante, aproximadamente 2 a 3 metros de distância, achei um envelope pequeno sem qualquer identificação, que depois constatei conterem US$ 1 mil em espécie.
Atônito e com dúvidas acerca sobre a quem deveria entregar o envelope, olhei em volta para tentar identificar quem o tivesse perdido. Forçoso reconhecer que cometi dois erros, primeiramente por estar com algo sem identificação, o que passou a ser de minha responsabilidade, e não ter procurado de imediato a autoridade policial.
Ficamos na sala de embarque, quando fomos abordados por policiais que me questionaram se encontrei algo no saguão do aeroporto e de pronto respondi que sim e imediatamente entreguei o envelope aos policiais. Nesse momento fomos conduzidos à delegacia, onde, em nosso entendimento, erroneamente o fato foi tipificado por furto, quando, na verdade, seria no máximo apropriação da coisa perdida.
Prestei depoimento e fui liberado para tentar retomar nossa viagem o mais breve possível, uma vez que não havia qualquer impedimento para que o fizéssemos, mas não houve essa possibilidade, em função de ser período de férias e, assim, não haver vagas nos próximos voos. Estamos aguardando a remarcação da viagem.
Retornamos a Sorocaba e fomos surpreendidos pelo fato de um veículo de comunicação ter noticiado o assunto, mas tratando-o como furto. Embora tenha buscado informações pessoais sobre mim, o que foi publicado, o veículo não me procurou para que eu pudesse fazer os esclarecimentos necessários, como faço agora.
Lamento os transtornos e a decepção de minha família, que está sendo extremamente prejudicada neste assunto. Informo e afirmo que vou me defender em todos os canais necessários, com a certeza de continuar com minha ficha limpa, como sempre fui! Embora sejam fatos que não gostaria de estar vivendo, devo dizer que estão servindo como um aprendizado. Por fim, externo os meus agradecimentos pelo apoio que tenho recebido de meus familiares, amigos e cidadãos sorocabanos.

Rodrigo Maldonado

Deixe seu Recado