SMetal

Imprensa

Sorocaba

"Cidadania na Mesa" está mudando a realidade de famílias atendidas

Programa visa promover alimentação saudável às famílias em situação de alta vulnerabilidade social

Segunda-feira, 03 de Agosto de 2015 - 11:50 - Atualizado em 27/12/2016 14:05
Secom de Sorocaba/Mariana Campos

,
Os alimentos provêm da agricultura familiar através do Programa de Aquisição de Alimentos do Governo Federal (PAA)
O aposentado Simão Peixoto da Silva, de 67 anos, e sua esposa Maura Ferreira da Silva, de 66 anos, recebem desde maio deste ano uma cesta de 6 a 9 quilos de alimentos variados por semana, entre frutas, verduras e legumes do Cesta Verde. Além disso, desde julho, eles passaram a receber também um Cartão-Alimentação no valor de R$ 100 por mês, substituindo a antiga cesta básica. Esses dois benefícios oferecidos pela Prefeitura de Sorocaba já estão mudando a realidade do casal, que é atendido no Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) de Aparecidinha.

"Nesta crise que estamos passando, esta ajuda está sendo muito bem-vinda. Agradeço muito ao CRAS, que tem uma ótima relação com a gente", afirma Simão. O munícipe tem uma renda de aproximadamente R$ 800, porém os gastos são enormes. Além de ter que adquirir remédios para ele e a esposa, no valor de R$ 220,00 por mês, o aposentado ainda tem gastos com empréstimo, conta de luz, que está em torno de R$ 100, e água, cerca de R$ 50. "No final não sobra quase nada", pondera.

Nesta semana, Simão e Maura levaram para casa tomates, pimentões, repolho, couve-flor e bananas do Cesta Verde, que é entregue semanalmente pelo Banco de Alimentos de Sorocaba na E.E. "Prof. Acácio de Vasconcellos Camargo", em Aparecidinha, a noventa famílias do bairro.

Maura já emagreceu quinze quilos desde que começou a receber o Cesta Verde, e os exames realizados na UBS do bairro ainda apontaram uma melhora em sua taxa de colesterol e triglicérides. Diabética e hipertensa, a munícipe ainda apresenta distúrbios na tireoide. "Não costumávamos fazer a feira, não estava sobrando dinheiro. Qualquer comprinha custava R$ 30,00 por semana, somando no mês gastaríamos R$ 15000. Agora é uma maravilha, os legumes fazem parte da minha dieta", comenta.

A novidade do Cartão-Alimentação também deixou o casal muito satisfeito. Dos R$ 100,00 que receberam eles já gastaram R$ 80,00 comprando produtos de higiene e carne. "Comprei R$ 40,00 só em carne. E deixei R$ 20,00 para comprar frango. Tem um senhor que vende por R$ 5,00 cada um", conta Simão, feliz.


Banquete

A dona de casa Leila Cristina Barbosa Borges, de 45 anos, é mais uma moradora de Aparecidinha beneficiada pelo Programa "Cidadania na Mesa". Em casa, além dela moram o marido Benedito Borges e seus quatro filhos, sendo que um deles é deficiente. Eles moram numa casa cedida pelo ex-patrão do marido. A renda da família chega a quase R$ 1.600, somando o salário do marido, que é aposentado e ganha um salário mínimo, e o Benefício de Prestação Continuada (BPC) que o filho recebe, por ser uma pessoa com deficiência. Porém os gastos que têm ao longo do mês superam este valor, pois envolvem compra de remédios, fraldas e luz.

Nesta semana a família vai ter na geladeira pimentão, tomate, abobrinha, repolho, batata-doce e banana. "Vou ter um banquete hoje no jantar", brincou Leila. Segundo ela, esses tipos de alimentos nunca existiram em sua casa. "Simplesmente não comprava porque não tinha dinheiro. Agradeço muito esta ajuda do CRAS", declarou.

O cartão-alimentação que passou a receber desde julho deste ano foi outra conquista para sua família. "É muito bem-vindo. Já gastei quase tudo. Comprei frango, carne, sabão em pó e fralda para o meu filho", contou.


CRAS Aparecidinha

De acordo com Naiane Maira Brito de Melo, assistente social do CRAS Aparecidinha, a unidade atende aproximadamente duzentas famílias mensalmente. Atualmente, noventa recebem Cesta Verde e oitenta têm acesso ao Cartão-Alimentação.

As famílias beneficiadas pelo programa "Cidadania na Mesa" são as atendidas pelas unidades de Proteção Básica e Especial (CRAS, CREAS, CENTRO POP, CEREM e CRI) e que se encontram em situação de vulnerabilidade social e insegurança alimentar. A única exigência é estar inserida no CadÚnico (Cadastro Único do Governo Federal), cuja renda exigida refere-se a famílias meio salário-mínimo nacional per capita.

As famílias beneficiadas no programa ainda estão participando de encontros, uma vez por mês no CRAS, dos nos quais professores e alunos dos cursos de Nutrição e Técnico de Alimentos da ETEC "Rubens de Faria e Souza", ensinam a população sobre higiene, manuseio de alimentos, preparo de receitas diferentes e o reaproveitamento de alimentos, evitando também o desperdício.


Sobre o programa

Coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento Social, a iniciativa municipal compreende a integração de várias ações referentes à Política de Segurança Alimentar, numa articulação intersetorial entre as áreas da Assistência Social, de Saúde (SES) e de Educação (Sedu), além de parceiros como o Banco de Alimentos de Sorocaba e a ETEC "Rubens de Faria e Souza".

O programa ainda conta com apoio das Secretarias de Desenvolvimento Econômico e Trabalho (Sedet), de Serviços Públicos (Serp) e do Meio Ambiente (Sema), bem como da Agricultura Familiar, Ceagesp Sorocaba e do Conselho Municipal de Segurança Alimentar e Nutricional (Consea) de Sorocaba.

O objetivo da Secretaria de Desenvolvimento Social, responsável pelo programa, é promover a alimentação saudável às famílias em situação de alta vulnerabilidade social e insegurança alimentar, melhorando a nutrição, reduzindo a obesidade e erradicando a fome.

O cartão-alimentação começou a ser distribuído pelos CRAS neste mês de julho. São 1.100 unidades distribuídas mensalmente no valor de R$ 100,00 cada. A medida substitui a entrega das cestas básicas. A novidade dá autonomia às famílias beneficiadas, que podem escolher o que elas querem comer e não simplesmente consumir os produtos que vem na cesta básica. Com o cartão elas poderão adquirir alimentos e produtos de higiene. A exceção é bebidas alcoólicas e cigarro.

Já a Cesta Verde está sendo distribuída desde maio deste ano. Ao todo, são novecentas unidades distribuídas pelo Banco de Alimentos de Sorocaba. Os alimentos provêm da agricultura familiar através do Programa de Aquisição de Alimentos do Governo Federal (PAA). Desta forma, a parceria beneficia também muitos agricultores de Sorocaba e região.

O projeto prevê a promoção do Direito Humano à Alimentação Adequada (DHAA). Os CRAS também fazem articulação com as UBSs para a inclusão das famílias que, além da vulnerabilidade social, apresentem alguma doença crônica decorrente de maus hábitos alimentares.

As famílias são incluídas mês a mês no Cesta Verde, conforme planejamento das equipes de CRAS que as acompanham. As listas são enviadas ao Banco de Alimentos, que organiza o repasse na instituição parceira mais próxima de cada unidade de CRAS. Essa articulação prevê o fortalecimento do trabalho em rede e aproximação das famílias atendidas pelos diversos serviços.

Deixe seu Recado