SMetal

Imprensa

Não à Reforma da Previdência

Centrais sindicais convocam greve geral para o dia 14 de junho

Como um esquenta para a greve geral do dia 14 de junho, na próxima quarta, 15, os (as) trabalhadores (as) da educação básica e superior, pública e privada, vão cruzar os braços contra a Reforma da Previdência e o corte de verbas para educação

Quinta-feira, 09 de Maio de 2019 - 10:03 - Atualizado em 09/05/2019 15:56
Imprensa SMetal (com Portal CUT)

greve, cut, geral, centrais, previdência, aposentadoria,, Divulgação
Greve GeralDivulgação
Durante o 1º de Maio unificado das centrais sindicais, realizado no Vale do Anhangabaú, na capital paulista, mais de 200 mil trabalhadores e trabalhadoras aprovaram, por unanimidade, a greve geral no dia 14 de junho contra a reforma da Previdência de Jair Bolsonaro (PSL).

“Querem acabar com o auxílio-doença, dificultar o auxílio-maternidade, acabar com o direito dos trabalhadores, sobretudo os mais pobres, de receberem pensão e aposentadoria para sobreviver. É por isso que vamos parar dia 14”, afirmou o presidente nacional da CUT, Vagner Freitas, que conduziu a votação junto aos trabalhadores e trabalhadoras.

Greve dos professores

Como um esquenta para a greve geral no dia 14 de junho, na próxima quarta-feira, dia 15, as trabalhadoras e os trabalhadores da educação básica e superior, pública e privada, das cinco regiões do país, vão cruzar os braços contra reforma da Previdência e o corte de verbas para educação, anunciado na semana passada pelo ministro Abraham Weintraub. 

“A adesão à greve nacional da educação, que já era considerável em todo o país, cresceu ainda mais depois que o governo anunciou o corte de investimentos na área e está atraindo o apoio de pais, mães e alunos preocupados com os rumos do ensino público no Brasil”, disse o presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores da Educação (CNTE), Heleno Araújo.

 

Deixe seu Recado