SMetal

Imprensa

Educação

Campus da UFSCar causa impacto na Região Metropolitana de Sorocaba

Educação, Tecnologia e Produção e Meio Ambiente são as áreas temáticas em que houve o maior número de atividades desenvolvidas

Terça-feira, 06 de Janeiro de 2015 - Atualizado em 27/12/2016 13:34
Assessoria UFSCar/ Imrpensa SMetal

,
O campus Sorocaba da UFSCar foi criado em 2006
O Campus Sorocaba da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) realizou 648 atividades de extensão desde a sua criação, em 2006. Os números, divulgados no final de novembro, são da Pró-Reitoria de Extensão (ProEx) da Universidade. Por meio dessas ações, além de estimular a geração e sistematização do conhecimento entre seus estudantes, técnico-administrativos e docentes, a UFSCar tem tido um impacto positivo na Região Metropolitana de Sorocaba e criado uma relação cooperativa com diversos setores da sociedade local. "É uma extensão que prima pela interação com a comunidade, em dialogar com a sociedade, reconhecendo os reais desafios que existem na região", diz Cláudia Maria Simões Martinez, Pró-Reitora de Extensão da UFSCar.

Dentre as atividades já desenvolvidas e as que estão sendo realizadas atualmente no Campus estão 190 cursos de aperfeiçoamento profissional, de especialização e atualização; 170 eventos científicos, culturais e artísticos; 140 projetos de extensão; 65 assessorias e consultorias que prestam auxílio a grupos de pessoas, entidades e instituições; 64 Atividades Curriculares de Integração, Ensino, Pesquisa e Extensão (Aciepe); e 18 produtos e publicações lançadas.

As parcerias e os convênios firmados com prefeituras de municípios da região de Sorocaba, empresas, coletivos, Organizações Não Governamentais (ONGs), movimentos sociais e instituições públicas e privadas têm se mostrado fundamentais para a condução e alcance dos projetos. "É uma satisfação observar que a extensão atinge tantos ‘atores', de diferentes áreas e frentes de trabalho. Percebemos que a Universidade está cumprindo o seu papel social", avalia Martinez. Para ela, isso só é possível porque "não se parte da premissa de que o conhecimento exista somente dentro da Universidade, mas também fora dela, e que é nessa relação que ele se constrói".
Desde 2006, segundo o levantamento da ProEx, foram firmados 366 acordos de cooperação e parcerias. Com essa colaboração interinstitucional, também, as ações de extensão da UFSCar conseguem atingir - para citar alguns exemplos - crianças e jovens do Ensino Fundamental e Médio, agricultores familiares, idosos, profissionais que atuam no cuidado a usuários de drogas, ambientalistas, tecnólogos e toda a comunidade regional, interna e externa à Universidade, que participa e é beneficiada pelas iniciativas.

As atividades estão distribuídas em áreas temáticas, tais como Educação, que possui até o momento, no caso do Campus Sorocaba, o maior número de extensões realizadas (274); Tecnologia e Produção (146); Meio Ambiente (105); Cultura (57); Comunicação (39); Direitos Humanos e Justiça (10); Trabalho (10); e Saúde (6). "Notamos que esse número de atividades de extensão está ligado à natureza dos cursos e aos objetos que os departamentos se dedicam a estudar", explica a Pró-Reitora.

As linhas programáticas incluem temas como "Empreendedorismo", "Produção Cultural e Artística na Área de Fotografia, Cinema e Vídeo", "Direitos de Grupos Sociais", "Educação Especial" e "Pólos Tecnológicos".
Para o ano que vem, Martinez antecipa que haverá um incentivo por meio de edital para projetos de extensão que se agreguem sob um mesmo eixo temático. "Acreditamos que com mais essa ação inovadora, possamos potencializar o atendimento a algumas demandas", conclui.

Abaixo, é possível conferir algumas das atividades de extensão do Campus Sorocaba:

EDUCAÇÃO - O Programa Futuro Cientista (PFC®), coordenado pelo professor Fábio de Lima Leite, do Departamento de Física, Química e Matemática (DFQM), funciona a partir da criação de núcleos de desenvolvimento científico nas escolas públicas de ensinos Médio e Fundamental das cidades de Cesário Lange, Piedade, Salto de Pirapora, Sorocaba, Iperó e Votorantim. Cada núcleo é formado por "células inteligentes", organizados na forma de um Clube de Ciências.
O objetivo da atividade é descobrir futuros cientistas entre crianças e adolescentes, garimpando aqueles com talento e interesse em se tornarem, mais adiante, investigadores na área, além de propiciar a formação continuada de professores do ensino básico. "O Programa Futuro Cientista pretende ser uma alternativa sustentável que, direta ou indiretamente, colabore para o desenvolvimento educacional, incrementando as atividades extracurriculares à escola, além da melhoria da qualidade de vida e de condições de empregabilidade através do investimento na formação dos participantes", destaca o coordenador.

MEIO AMBIENTE - Na área de meio ambiente, há o projeto "Desenvolvimento participativo de sistemas agroflorestais e agroecológicos em assentamentos rurais na Bacia do Médio-Tietê/Sorocaba", iniciado em 2014 sob a coordenação do professor Fernando Silveira Franco, do Departamento de Ciências Ambientais (DCA). A iniciativa visa a implementação de práticas que levem ao uso adequado do solo e a um desenvolvimento rural sustentável, alcançados por meio da adequação ambiental dos sistemas produtivos por meio da geração, sistematização e oferecimento de auxílio e assessoria técnica a agricultores familiares dos assentamentos rurais de municípios da região de Sorocaba. Os municípios de Itapetininga e Iperó, onde estão localizados os assentamentos Horto Bela Vista e Fazenda Ipanema, têm sido os principais locais de atuação do projeto, com 20 famílias participando em Itapetininga e 40 em Iperó, aproximadamente.
Dentre as diversas ações conduzidas pelo projeto - que incluem seminários, palestras, cursos e outras atividades abertas ao público -, ocorreu em maio de 2014 a Caravana Agroecológica, com roteiro de visitas aos agricultores familiares e assentados de Ibiúna, Iperó, Piedade, Araçoiaba da Serra e Itapetininga. Outra atividade mantida é a Feira de Agroecologia, realizada no Campus Sorocaba UFSCar, onde os camponeses têm a oportunidade de vender suas hortaliças, frutas, raízes, doces e alimentos de padaria orgânicos, dentre outros produtos.

SAÚDE - O Centro de Referência Regional em Educação na Atenção aos Usuários de Drogas (CRR) é um projeto de extensão do Departamento de Ciências Humanas e Educação (DCHE) coordenado pelos docentes Marcos Roberto Vieira Garcia e Adriana Caldeira de Oliveira. Por meio de convênio com a Secretaria Nacional de Política Sobre Drogas (SENAD), o CRR oferece na UFSCar cursos gratuitos de capacitação para profissionais das áreas de Saúde e Assistência Social que atuam no tratamento de usuários de drogas e álcool.
O projeto foi idealizado em parceria com profissionais de outras universidades da região, em especial da Pontifícia Universidade Católica (PUC) de Sorocaba e da Universidade de Sorocaba (Uniso), além de organizações governamentais e não-governamentais que atuam na atenção às pessoas que fazem o uso abusivo de entorpecentes, como a Secretaria da Juventude de Sorocaba, a ONG "Lua Nova" e a Associação "Pode Crer". É um dos 49 Centros Regionais de Referência brasileiros de formação permanente, aprovados pela Secretaria Nacional de Política sobre Drogas (SENAD) com o intuito de dar suporte às demais ações previstas pelo Plano Integrado de Enfrentamento ao Crack e Outras Drogas, lançado pelo Governo Federal no final de 2010.

Outras informações relacionadas às atividades de extensão da UFSCar podem ser consultadas em www.proex.ufscar.br.

Deixe seu Recado