SMetal

Imprensa

Economia

Campanha Salarial de Metalúrgicos movimenta a economia local e regional

Quarta-feira, 08 de Agosto de 2018 - 15:39 - Atualizado em 08/08/2018 17:53
Imprensa SMetal

, Foguinho/Arquivo SMetal
O presidente do SMetal, Leandro Soares, reforça que o enfrentamento deve ser feito para a conquista de aumento real e pela manutenção de direitosFoguinho/Arquivo SMetal
A Campanha Salarial da categoria metalúrgica de Sorocaba e região, que conta com 36.310 trabalhadores, deve injetar aproximadamente R$ 2 milhões a cada 1% de aumento.

De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal), Leandro Soares, a campanha será por reposição total da inflação, mais aumento real.

“Além da pauta econômica, a nossa luta será pela manutenção dos direitos sociais porque aumentou a pressão dos grupos patronais pela retirada de conquistas, principalmente, após a Reforma Trabalhista”, pontua o dirigente.

Conforme dados do economista da subseção do Dieese do SMetal, Fernando Lima, a massa salarial da categoria metalúrgica é de R$ 161 milhões mensais. Dessa forma, a cada 1% de reajuste, são injetados mais R$ 1,6 milhões na economia.

O diretor licenciado do Sindicato, Izídio de Brito, ressalta a importância da campanha salarial. “Melhora não só a vida dos metalúrgicos, garantindo um trabalho digno, mas também colabora com a dinâmica econômica”.

A luta é pela vida

Os diretores do SMetal reforçam que a Campanha Salarial vai muito além do reajuste e busca promover a saúde e a segurança do trabalhador. “Por isso, negociamos as cláusulas da Convenção Coletiva, que permitem os trabalhadores terem uma jornada justa de trabalho, com mais dignidade e evitar a precarização”.

De acordo com o observatório digital de Saúde e Segurança do Ministério Público do Trabalho, de 2012 a 2017, foram registrados 27.533 acidentes de trabalho, com 110 mortes de trabalhadores de diversas categorias, em 14 cidades da região, incluindo Sorocaba. Desse número, 17.096 ocorreram em Sorocaba.

“A Reforma Trabalhista veio para precarizar e nossa luta é constante contra esses retrocessos que tiram a vida dos trabalhadores ou que o deixam com graves sequelas. Mais do que nunca nossa Campanha Salarial, com união e muita mobilização, será para dar um BASTA nessa política atual e exigir respeito porque cada trabalhador precisa retornar do trabalho com saúde e segurança”, explica Izídio.

Deixe seu Recado