SMetal

Imprensa

Economia

Campanha salarial 2022: data-base já soma 3,98% de inflação acumulada

Resultado é o maior em nove anos, quando foi registrado 8,74% de inflação acumulada em quatro meses (setembro a dezembro); para o SMetal, Campanha Salarial 2022 será marcada por grandes desafios

Terça-feira, 11 de Janeiro de 2022 - 15:58 - Atualizado em 11/01/2022 16:25
Imprensa SMetal

1_janeiro, 2022, imprensa,
1_JANEIRO
Os trabalhadores da base do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) já tiveram perdas salariais de 3,98% desde a última data-base, em setembro de 2021. O resultado é o maior em nove anos, quando foi registrado 8,74% de inflação acumulada em quatro meses (setembro a dezembro).

O percentual verificado neste ano é superior ao mesmo período de anos anteriores. Em 2017, o acumulado estava em 0,32%, enquanto em 2018 chegou a 0,53%. Em 2019, a data-base dos metalúrgicos somava perdas de 0,45% e, em 2020, 2,53%

Segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), o INPC de dezembro ficou em 0,73%. Com isso, a alta da inflação acumulada para 2021 chegou a 10,16%.

Para o presidente do SMetal, Leandro Soares, os metalúrgicos têm uma grande luta pela frente. “Negociar a campanha salarial nunca é uma tarefa fácil. Para os empresários, não importa se a inflação está baixa ou alta, eles sempre reclamam e acham que os trabalhadores não têm direito ao reajuste. Vai ser preciso muita mobilização e união da categoria e o trabalho firme do Sindicato para garantirmos a vitória nessa empreitada”.

Data-base 2021

A Campanha Salarial de 2021 terminou com inflação acumulada em 10,42%. As negociações do SMetal e da Federação Estadual dos Metalúrgicos (FEM/CUT) garantiram reajuste igual ou superior a inflação para mais de 96% da categoria em Sorocaba e região.

Leandro enfatiza que os resultados só foram conquistados com muita luta. “Num ano de inflação descontrolada e da crise agravada pela pandemia da Covid-19 e pelo desgoverno de Bolsonaro, os empresários queriam um reajuste abaixo da inflação e dividido em até três vezes. Foi preciso muita negociação com as bancadas patronais e o apoio da categoria para sairmos vitoriosos dessa campanha salarial”.

O secretário-geral do Sindicato, Silvio Ferreira, lembra ainda que quase metade dos reajustes salariais de 2021, em todas categorias, ficaram abaixo da inflação. “Um estudo do Dieese mostrou que 48,8% das campanhas salariais do ano passado não conseguiram sequer repor a inflação e também que aumentaram os casos de parcelamento da reposição salarial, diferentemente dos metalúrgicos de Sorocaba e região. Isso só mostra a força e o trabalho sério do SMetal, que lutou incansavelmente pela valorização da categoria”. 

Deixe seu Recado