SMetal

Imprensa

Editorial

As histórias que a TV brasileira não contam

Quinta-feira, 12 de Abril de 2018 - 10:22 - Atualizado em 12/04/2018 12:30
Imprensa SMetal

arte, globo, mude, canal, lula, prisao, editorial, folha, 899, Divulgação
Mudar o canal é um ato de cidadania. A Rede Globo golpista tem lado e não é o dos trabalhadoresDivulgação
Em Gênova, na Itália, o brasileiro Roberto Monti, 67 anos, filho do ex-preso político Arrigo Monti - lutador contra a ditadura civil-militar no Brasil, de 1964 - acompanhou os noticiários sobre a prisão de Luis Inácio Lula da Silva, no dia 7 de abril.

Em mensagens ao SMetal, ele diz que todas os veículos de comunicação mostram as arbitrariedades de uma prisão política sem fundamentação nem provas. O sentido das notícias é o de que “a América quer repegar a América Latina”.

Em julho de 2016, a filósofa Marilena Chauí afirmou que o juiz de primeira instância Sérgio Moro havia sido “treinado pelo FBI” para atender aos interesses estadunidenses na condução da operação Lava Jato.

Ela se baseia na publicação de documentos em que o juiz Sérgio Moro é citado como integrante de uma conferência Bridges Project (Projeto Pontes), vinculado ao depto de Estado Norte-americano para consolidar o treinamento bilateral do Brasil com EUA. Esse documento foi vazado pelo Wikileaks, organização transnacional sem fins lucrativos, com sede na Suécia.

O golpe realizado em 2016, que tirou Dilma Rousseff (PT) da presidência, e deu poder a Michel Temer (PMDB), já foi articulado desde o início como tentativa de anular um projeto que deu certo no país. Projeto que tirou milhares de pessoas da miséria e ofereceu oportunidade para o jovem ingressar numa faculdade. Assim como o de garantir moradia digna aos brasileiros.

Agora, dois anos depois, com desemprego aumentando e a reforma trabalhista implantada, a continuidade do golpe se dá com a prisão totalmente arbitrária de Lula.

Reconhecido pela maioria da classe trabalhadora como o melhor presidente que o país já teve, até o jornal americano The New York Times divulgou a prisão como sendo de “um líder que transformou o país”.

A trajetória de Lula nós já conhecemos, mas a prisão do maior líder do país deu visibilidade internacional. Filho de agricultores analfabetos e líder sindical, Lula tirou 20 milhões da pobreza, de acordo com o Banco Mundial, que não é nenhuma entidade de esquerda.

Até a frase de Barack Obama para Lula foi lembrada: “o político mais popular do mundo”.  E é mesmo! Nenhuma outra figura pública terá a gratidão do povo como Lula tem.  Após ele fazer o discurso em São Bernardo, desceu do caminhão nos braços do povo, como um mártir da luta e da resistência.

E apresentou-se à Polícia Federal para encarar de frente quem o acusa sem provas. Lula representa uma esperança para melhorias nas condições de vida.

Quem não acredita nisso pode estar achando que Moro é um herói. Mas em nota a direção da Polícia Federal desautorizou o delegado Milton Fornazari Jr, que se manifestou no Facebook a favor da prisão de Temer, Alckmin, Aécio e Cia.

Tudo estava armado o que eles querem é tirar Lula da jogada, pois ele livre é eleito, mais uma vez, presidente deste país! Nossa luta agora, como classe trabalhadora defender eleições livres. Sem Lula, eleição é fraude!

Deixe seu Recado