SMetal

Imprensa

Assembleia Online

Administrativo da Gerdau aprova acordo que garante salários

A redução de jornada e salários tem vigência de até 90 dias e garante estabilidade de emprego pelo mesmo período; medida aprovada vale a partir de 1º de maio e mantém os benefícios dos trabalhadores

Quinta-feira, 07 de Maio de 2020 - 16:12 - Atualizado em 12/05/2020 16:31
Imprensa SMetal

2020, imprensa, Foguinho/Imprensa SMetal
A votação aconteceu em assembleia online, para evitar aglomeraçãoFoguinho/Imprensa SMetal
Os trabalhadores do setor administrativo da Gerdau, em Araçariguama, aprovaram o acordo de redução de jornada e salário, em assembleia virtual realizada entre quarta e quinta-feira, 6 e 7. A medida foi negociada pelo Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal) como meio proteger a renda e emprego durante a crise do novo coronavírus.

A redução tem vigência de até 90 dias e garante estabilidade de emprego pelo mesmo período. A medida aprovada vale a partir de 1º de maio e mantém os benefícios dos trabalhadores. Na negociação com a empresa, o SMetal buscou garantir um acordo que trouxesse melhores condições do que as apresentadas pela Medida Provisória 936, editada pelo governo federal para enfrentamento da crise.

A votação aconteceu em assembleia online, para evitar aglomeração nesse período de pandemia. 40 trabalhadores estavam aptos a votar e 34 (85%) participaram da assembleia; todos os votos foram favoráveis à proposta.

A assembleia online foi realizada através de uma ferramenta exclusiva criada pelo SMetal. Nela, os trabalhadores exercem o direito democrático de participar das decisões e têm o sigilo do voto garantido.

Leandro Soares, presidente do SMetal, lembra da importância da participação dos metalúrgicos nas decisões. “A diretoria do Sindicato foi eleita para representar todos os trabalhadores, do administrativo ao chão de fábrica, e isso tem sido feito diariamente, buscando acordos que minimizem os impactos da crise para a categoria. Mas a decisão final de cada acordo cabe aos trabalhadores, que são soberanos para aceitar ou não cada proposta”.

Deixe seu Recado