SMetal

Imprensa

Mulheres e Luta

A mulher operária no início da industrialização será tema de atividade

As pesquisadoras da UFSCar Sorocaba Daia de Moura e Letícia Nunes debatem romance proletário de Patrícia Galvão, no próximo dia 19

Quinta-feira, 05 de Julho de 2018 - 11:42 - Atualizado em 05/07/2018 13:37
Imprensa SMetal

pagu, patricia, galvao, escritoria, jornalista, mulheres, luta, Divulgação
Uma das edições do romance proletário de Pagu, que será debatido no evento do dia 19Divulgação
No próximo dia 19, às 19h, o projeto Mulheres e Luta promove a atividade “Trabalho e o Romance Parque Industrial de Pagu”, no auditório do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba e Região (SMetal).

Escrito em 1932, pela jornalista Patrícia Galvão, mais conhecida como Pagu, o romance “Parque Industrial” ficou muito tempo esquecido, como era comum ocorrer com obras escritas por mulheres.

A atividade começa com a apresentação do curta-metragem “Engrenagens”, realizado na cidade de Sorocaba, a partir de estudos da obra "Parque Industrial", de Patrícia Galvão.

De acordo com uma das atrizes-criadoras Daiana de Moura, as imagens trazem uma mistura de paisagens da cidade, dos corpos das atrizes e das palavras da autora, várias telas surgem evocando as mil facetas de uma metrópole. As velocidades e ritmos internos e externos se confundem em uma explosão de afetos e ideias que desloca as formas da imagem e do som.

Além de Daia o curta é uma realização de João Goulart e Mariana Rossi, da plataforma de pesquisa Cunhãntã e contou com apoio do Governo do Estado de São Paulo - Programa de Ação Cultural (Proac).

O debate será mediado pela historiadora e professora universitária Letícia Nunes de Moraes, que atualmente desenvolve, em estágio de pós-doutorado na UFSCar-Sorocaba, uma pesquisa sobre Patrícia Galvão e também pela pesquisadora Daia de Moura.

De acordo com Letícia, Pagu mostra de forma inédita e original a difícil condição de vida das mulheres operárias no início da industrialização brasileira.

O projeto Mulheres e Luta é uma iniciativa do SMetal em parceria com o Núcleo de Estudos de Gênero e Diversidade Sexual (NEGDS) da UFSCar Sorocaba. Todas as atividades são gratuitas.

O Sindicato fica na rua Julio Hanser, 140, próximo da rodoviária.

Deixe seu Recado