SMetal

Imprensa

Campanha Salarial

1º Ato surpresa da FEM-CUT/SP acontece em Diadema

Estão previstas ações até quinta-feira em outras regiões do Estado

Terça-feira, 30 de Junho de 2015 - Atualizado em 27/12/2016 14:00
FEM-CUT/SP/Viviane Barbosa

,
Ato na Apis Delta, em Diadema, São Paulo
Mais de 1.500 trabalhadores nas fábricas Delga, Apis Delta, Delga, Legas e Metal Park, localizadas em Diadema, participaram na manhã desta segunda-feira (29) do 1º ato regional de Lançamento da Campanha Salarial da FEM-CUT/SP, em parceria com o Sindicato dos Metalúrgicos do ABC. Os companheiros nas montadoras Ford, Scania, Mercedes Benz, Volkswagen e Toyota também compareceram, demonstrando um gesto de solidariedade e apoio à luta.

A atividade aconteceu em frente à Apis Delta, empresa ligada ao Grupo 8 (que reúne os setores de trefilação, laminação de metais ferrosos; refrigeração, equipamentos ferroviários, rodoviários, entre outros).

Neste ano, a FEM-CUT/SP mudou o formato de lançamento da Campanha Salarial, que antes acontecia na Avenida Paulista. Agora serão realizados atos "surpresa" nas bases pelos sindicatos metalúrgicos filiados. Os próximos acontecem nesta semana, de terça a quinta-feira, nas regiões do Vale do Paraíba, Centro/Noroeste e na grande Sorocaba, que inclui as cidades de Salto, Itu e Cajamar.

"A atividade de hoje mostrou um alto grau de consciência e mobilização dos trabalhadores. Iniciamos muito bem a nossa Campanha. O nosso objetivo foi fazer um formato diferente para mostrar aos patrões a nossa voz, que é o silêncio das máquinas", disse o presidente da FEM, Luiz Carlos da Silva Dias, o Luizão.

,
Imagem

O dirigente reforçou a importância de politizar o tema das cláusulas sociais, que serão o destaque na Campanha Salarial deste ano, frisando que a categoria metalúrgica tem garantido relevantes direitos nas Convenções Coletivas de Trabalho (CCT) da Federação. Ele citou, como exemplo, a garantia de emprego ao metalúrgico que está em vias de se aposentar, que hoje só existe na CCT e não em Lei.

"Não foi à toa, que nós aprovamos o slogan Nenhum Direito a Menos. Estamos mandando um recado para o Congresso, que tenta passar o maldito projeto de lei da terceirização (PLC30), e para os patrões de que não aceitaremos retrocessos nas nossas conquistas, ao contrário, seremos ousados e avançaremos em mais direitos sociais", frisa.


Setores conservadores

O presidente do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, Rafael Marques, criticou os setores conservadores da mídia e dos empresários que apostam em uma agenda de crise. "A mídia tem plantado um sentimento de descrença nas instituições. Agora, quando o governo anuncia um acordo com a China que injetará US$ 256 bilhões na economia brasileira, eles escondem porque essa notícia é boa para gente, porque acarretará mais investimentos nas plantas das empresas", explica.

A Secretária da Mulher da Federação, Andréa Ferreira Souza, trabalhadora na Apis Delta, reforçou que os trabalhadores lutarão para ampliar a dignidade. "Aqui na Delta estou diante de companheiras e companheiros que não têm medo de irem à luta. Não vamos baixar a cabeça, lutaremos pelo o que é nosso de direito", pontua.
A sindicalista falou sobre o direito à licença maternidade de 180 dias, que nas empresas do G8 e Estamparia, a cláusula é uma recomendação, e nesta Campanha a FEM reivindicará para que se torne um direito efeito, como é nos demais grupos patronais. "Quando falamos desta importante cláusula, assim como o auxílio creche, são direitos que beneficiarão os filhos", adverte.

O coordenador da Regional do SMABC em Diadema, David Carvalho, ressaltou que o percurso da Campanha deste ano não será curto, portanto, a confiança e a unidade da categoria serão essenciais para avançar nas conquistas.


Acidentado/sequelado

A maioria dos dirigentes também falou da histórica cláusula que garante estabilidade no emprego até a aposentadoria para os doentes profissionais ou sequelados de acidente do trabalho na base da FEM, que está assegurada em todos os setores patronais. "Temos o orgulho em dizer que os metalúrgicos da CUT no Estado de São Paulo são os únicos no Brasil que têm este direito, garantido em Convenção Coletiva de Trabalho", enfatizou Valdeci Henrique da Silva, Verdinho, diretor da Federação e do Sindicato dos Metalúrgicos de Sorocaba.

Entrega de pautas

A FEM-CUT/SP entregará para as seis bancadas patronais na próxima sexta-feira, 3 de julho, as pautas de reivindicações da Campanha Salarial 2015. Mais informações da Campanha dos Metalúrgicos da CUT no Estado de São Paulo clique aqui

Deixe seu Recado